Surdos: vestígios culturais não registrados na história

Usuario-VacioPor Karin Lilian Strobel,

Porto Alegre, 2008.

Sección: Tesis, tesis de doctorado

 

RESUMO

A presente pesquisa consiste em um estudo empregando procedimento das análises narrativas e pesquisas teóricas etnografias que possibilitou a coleta de dados sobre a cultura do povo surdo. Nas análises narrativas possibilitou a reflexão sobre as práticas ouvintistas nas escolas de surdos e resistências do povo surdo contra esta prática, procurando resgatar a cultura surda na história. Nas pesquisas teóricas observou-se o papel fundamental da língua de sinais, o reconhecimento da cultura surda e a construção de sua identidade. Estas metodologias ressaltam a importância da participação dos povos surdos para a construção da história cultural.

A tese é escrita num conjunto de textos no estilo acadêmico e estilo ensaio ao mesmo tempo, para deixar emergir os saberes onde entram em cena as memórias das experiências do ‘ser surdo’, uma visão abrangente em relação ao que ocorre com o povo surdo, especialmente, no campo do colonialismo e dos sistemas opressivos educacionais e dos corpos amordaçados por políticas institucionais.

Ao usar o tom ensaístico da escrita, as fronteiras estilísticas estão dialogando em universo que é marcado pela negociação de sentidos, as linguagens que são marcadas por diferentes nuances e muitos elementos que são da ordem também das articulações de uma ordem de linguagem que emerge das instâncias analíticas da memória, da subjetividade e do inconsciente.

Com essa pesquisa fazemos reflexões importantes acerca da violência simbólica e física a que os surdos foram sujeitados, traz o papel da família para um campo reflexivo de sua participação, o papel do psicólogo, o papel do professor, entre outros.

Palavras-chave: Estudos Surdos, língua de sinais, análise narrativa, etnografia, historicismo, história cultural; identidade.

Leer tesis (PDF -1,3 MB)

Tesis de doctorado en educación presentada ante el Programa de Pós-Graduação em Educação, de la Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

Sé el primero en comentar

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.