Uma ou duas? eis a questão!:
 Um estudo do parâmetro número de mãos na produção de sinais da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS)

Usuario-VacioPor André Nogueira Xavier,

Campinas, 2014.

Sección: Tesis, tesis doctorales.

Resumo:

Os itens lexicais das línguas sinalizadas, tradicionalmente chamados de sinais, se caracterizam como sendo feitos com uma ou duas mãos. Por essa diferença articulatória ser usada contrastivamente nessas línguas, Klima e Bellugi (1979) propuseram a inclusão do número de mãos no conjunto de parâmetros sublexicais empregados na análise fonológica dos sinais. Neste trabalho, realiza-se um estudo desse parâmetro na produção de sinais da língua brasileira de sinais (libras) com foco tanto em casos nos quais sinais tipicamente articulados com uma mão são produzidos com duas (duplicação), quanto em casos em que sinais normalmente realizados com duas mãos são feitos com apenas uma (unificação) (JOHNSTON; SCHEMBRI, 1999). Além disso, analisam-se casos em que a mudança no número de mãos (de uma para duas) tem efeito sobre o significado do sinal – não se caracterizando, portanto, como variação –, bem como casos em que a realização com uma ou duas mãos de certos sinais não altera o seu significado, constituindo, assim, variantes destes. Um dos achados deste estudo diz respeito à não- identificação de pares mínimos em que o único elemento de contraste lexical é o número de mãos. Em todos os casos levantados, a diferença no número de mãos nos sinais do par está sempre associada a diferenças em pelo menos um outro parâmetro fonológico do sinal (sua localização, seu movimento ou sua marcação não-manual). Dentre os casos em que a mudança no número de mãos altera o significado do sinal, inclui-se a expressão de intensidade, uma vez que se observa na libras a realização, com duas mãos, de sinais tipicamente articulados com uma mão quando estes têm seu significado intensificado. Os resultados do experimento realizado para eliciar formas intensificadas sugerem, no entanto, que esse processo é opcional na libras, pois sua ocorrência só foi atestada nas produções de seis dos 12 participantes do estudo e variou em relação à sua frequência e ao sinal ao qual estes o aplicaram. Este trabalho também evidenciou a ocorrência de variação livre no parâmetro número de mãos, bem como de variação motivada por fatores extra-linguísticos e pelo contexto fonético-fonológico. Em relação à variação livre, observou-se que os sinais que sofrem essa variação não formam uma classe homogênea: há casos em que a variante de uma mão é predominante e outros em que a de duas é mais frequente. Pelo menos para alguns dos sinais equilibrados (realizados com as duas mãos em movimento), parece haver uma correlação entre a variante predominante e a sua localização. Predomina a variante de uma mão para sinais equilibrados feitos na face e a de duas para sinais desse mesmo tipo feitos abaixo do pescoço, tendência já observada na língua de sinais americana (FRISHBERG, 1975). Já em relação à variação motivada por fatores extra-linguísticos, viu-se que a realização de sinais tipicamente feitos com duas mãos em situações em que uma delas está indisponível não equivale simplesmente à sua articulação com uma mão. Há casos em que outras estratégias são empregadas, tais como a substituição por um sinal sinônimo ou a mudança em sua localização, nos casos em que esta corresponde a uma região na mão indisponível. Por fim, em relação à variação motivada pelo contexto fonético-fonológico (coarticulação), observou-se que o número de mãos do sinal precedente ou seguinte pode explicar a realização com uma ou duas mãos de certos sinais. Entretanto, viu-se também que os sujeitos variam tanto em relação à sensibilidade que exibem ao contexto fonético-fonológico e à taxa de sinalização, quanto no que diz respeito ao(s) sinal(is) ao(s) qual(is) aplicam o processo.

Palavras-chave: libras; fonética experimental; número de mãos; intensidade; variação livre; coarticulação.

Tesis doctoral presentada en el Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Brasil.

Descargar PDF (5 MB)

Sé el primero en comentar

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *